por

O que é o Modelo em Cascata e como aplicá-lo no negócio?

Muitos gestores já estão familiarizados com modelo em cascata, certo? Porém, é normal surgir dúvidas sobre como esse modelo funciona e quando deve aplicado à gestão de projetos.

Muitas vezes, o profissional encontra dificuldade para aumentar sua produtividade e sua lucratividade, não por falta de recursos, mas por falta de organização. Um modelo eficiente de gestão de projetos costuma ser a solução para esses casos, já que otimiza os processos.

Se você deseja conhecer um desses modelos, continue lendo. Neste post, vamos apresentar as características do modelo em cascata. Acompanhe!

O que é o modelo em cascata?

Trata-se de uma espécie de roteiro que determina, de forma sequencial, as etapas para desenvolvimento de um projeto. Seu principal objetivo é garantir que as ideias sejam analisadas sob todos os aspectos, de modo que nada fique de fora.

Criado na década de 70, o modelo só ganhou visibilidade cerca de 10 anos mais tarde e pode ser considerado mais rígido e menos administrativo que outros que têm o mesmo objetivo.

Normalmente, tudo começa com um levantamento dos requisitos do cliente. Depois disso, vêm as estimativas, o cronograma e o acompanhamento. O projeto é então analisado, construído, testado e finalmente, implantado.

Aplicar corretamente o modelo em cascata significa seguir esses passos na sequência proposta, de modo que cada etapa concluída leve automaticamente à próxima. A sequência é basicamente a seguinte: requerimento — projeto — construção — integração — testes — implantação — manutenção.

Quais as vantagens do modelo em cascata?

Uma das principais vantagens do modelo é que, quando bem utilizado, ele não permite pular fases. A etapa seguinte só é iniciada após concluída a anterior. Com isso, é possível garantir que não haverá falhas de aplicação do modelo no decorrer do projeto.

É importante ter em mente que todas as fases são igualmente importantes. Escolher não segui-lo totalmente pode comprometer o funcionamento de toda a estrutura. Aí está outra vantagem: tudo o que modelo pede é realmente necessário, nada deve ser considerado perda de tempo.

Cada fase é bem definida e deixa claro o que precisa ser feito para passar por ela. Além disso, a sequência determinada também foi pensada: existe uma razão pela qual as etapas acontecem na ordem determinada. Dessa forma, o foco no planejamento aumenta e o projeto se torna algo realmente estruturado.

Quais as desvantagens do modelo em cascata?

Um ponto que pode ser considerado como desvantagem por alguns clientes é que o modelo em cascata exige que todos os requisitos sejam definidos no início do projeto, já na primeira fase.

Além disso, só é possível visualizar algo quando as fases já estão bem avançadas, quase no final de tudo. Não existe uma obrigatoriedade de feedback entre as fases e não é possível simplesmente voltar para corrigir possíveis falhas.

Isso transmite a sensação de que é necessário ter atenção redobrada para que nenhuma etapa seja concluída com erros. Os requisitos determinados também não podem ser modificados e, por isso, é necessário seguir o modelo à risca.

Quando implantado em equipe, pode ser que nem todos os integrantes acompanhem o ritmo. Nesse caso, é necessário esperar que todos alinhem suas fases para só então avançar.

Isso pode fazer que o projeto fique travado por um tempo porque um integrante ainda não concluiu sua parte na fase em que se encontra. Por isso, considera-se que o modelo em cascata exige grande sincronização entre os participantes e pode ser afetado por qualquer atraso ocorrido no desenvolvimento.

Muitas vezes, o modelo não funciona como o esperado por falhas em sua própria implantação. É preciso sempre lembrar que pular ou inverter fases não é permitido. Portanto, se algum erro ocorrer em decorrência dessas ações, não se trata de uma desvantagem do modelo.

Como o modelo em cascata funciona na prática?

Trata-se de um modelo que pode ser utilizado por praticamente qualquer empresa no desenvolvimento de diferentes tipos de projetos. Normalmente, ele costuma ser mais funcional quando se trata de um projeto simples, com requisitos bem conhecidos.

Segundo o modelo, o primeiro passo para a criação de um projeto é estabelecer todos os seus requisitos, os serviços que ele vai proporcionar, seus objetivos e suas limitações. Documentos e estudos também fazem parte dessa fase e só se deve partir para a próxima fase após concluída toda a criação.

Assim, dentro de cada etapa podem existir mais de uma atividade a ser desempenhada, já que a estrutura do modelo considera somente as fases principais. A equipe deve ter em mente que só pode ir para a próxima etapa depois de se certificar de que a anterior está concluída.

Uma vez terminado esse primeiro passo, basta partir para a fase de definição do projeto. Esse é o momento de estabelecer quais serão a estrutura, a arquitetura e a caracterização do software. Essa etapa precisa ser documentada, já que se tornará parte do próprio projeto.

O próximo passo consiste na criação dos programas e dos códigos e também no teste dessas ferramentas. Em seguida, é hora de executar testes mais específicos de modo a analisar se o que foi projetado realmente funciona.

Se houver erros a serem corrigidos, esse é o momento de fazê-lo. É importante lembrar que um projeto só pode ser considerado realmente concluído quando todos os seus elementos funcionarem da maneira esperada.

A implantação correta do modelo em cascata busca reduzir a margem de erro e as etapas inacabadas do projeto. Entretanto, é preciso levar em conta que outros aspectos da gestão são igualmente importantes.

Cuidar da gestão financeira e orçamentária da instituição e implantar ferramentas que permitam as tomadas de decisão com base em dados concretos também são atitudes fundamentais para o crescimento empresarial.

Lembre-se sempre de que, por mais corretamente implementados que sejam seus projetos, se a empresa não estiver com a saúde financeira em dia, corre o risco de não ter condições de seguir com seus planos.

Se você gostou de descobrir um pouco mais sobre o modelo em cascata e acredita que ele pode ajudá-lo na implementação de projetos, deixe seu comentário e compartilhe sua opinião conosco.

Artigos Relacionados


Also published on Medium.